A busca para desarmar a bomba de carbono da Guiana

0
22


Em março de 2015, a plataforma Deepwater Champion estava trabalhando para a Exxon Mobil, explorando petróleo no Oceano Atlântico a 120 milhas da costa da Guiana, perfurando abaixo de 6.000 pés de água e através de 12.000 pés de terra. A perfuração em águas ultraprofundas é tão complexa que os especialistas a comparam a viagens espaciais, e os perigos são bem conhecidos. Cinco anos antes, a plataforma Deepwater Horizon trabalhava para a BP quando explodiu no Golfo do México, matando 11 trabalhadores e provocando o pior derramamento de petróleo offshore da história. (A plataforma na Guiana pertencia e era operada pela mesma empresa, a Transocean, que operava a plataforma no Golfo.)

Apenas dois meses depois de começar a explorar, a Exxon encontrou petróleo. A primeira descoberta significativa na história da Guiana foi um choque. O então CEO da Exxon Mobil, Rex Tillerson, disse aos acionistas que foi a maior descoberta de petróleo do mundo naquele ano. O governo da Guiana, liderado pelo presidente David Granger, da Reforma do Congresso Nacional do Povo, assinou rapidamente um contrato com a Exxon e concedeu à empresa uma série de licenças de 23 anos – que na época foram negadas ao público. Quando a produção começou, quatro anos depois (“uma fração do tempo que normalmente leva”, de acordo com a porta-voz da Exxon, Meghan MacDonald), a Guiana foi oficialmente introduzida no clube exclusivo das nações produtoras de petróleo. O presidente Granger proclamou o Dia Nacional do Petróleo e disse que a descoberta transformaria o desenvolvimento econômico do país e garantiria uma “boa vida” para todos.

O Partido Progressista do Povo, liderado por Bharrat Jagdeo, acusou Granger de assinar um acordo unilateral com a Exxon em troca “de amendoins”. Analistas da indústria descobriram que o governo está recebendo um retorno abaixo da média nos projetos da Exxon. A Exxon recuperará todas as suas despesas, incluindo todas as despesas de desenvolvimento e operação, com o petróleo que extrai, deixando o governo e o público para absorver em grande parte os custos da empresa. Para cada barril de petróleo produzido, até que recupere seus custos, a Exxon recebe 85,5% do valor do petróleo, contra 14,5% da Guiana, segundo o Instituto de Economia Energética e Análise Financeira.

A Exxon sustenta que os termos do contrato são competitivos e que “fornece uma estrutura e termos equitativos tanto para o governo quanto para as empresas investidoras, proporcionais ao risco associado a cada projeto”.

Janki, enquanto isso, estava de olho em acabar com toda a operação da Exxon na Guiana. “Naquele momento, ninguém mais estava disposto a desafiar o que o setor de petróleo estava fazendo”, diz Janki. Em 2018, ela percebeu que teria que recorrer à Justiça.

Janki entrou com uma ação, com base na Lei de Proteção Ambiental, argumentando que o governo agiu ilegalmente ao conceder licenças de produção às duas empresas com as quais a Exxon é parceira, uma vez que elas não apresentaram suas próprias avaliações de impacto ambiental. O juiz decidiu que a licença concedida à Exxon era suficiente, mas Janki não foi dissuadido. Ela começou a dar palestras e palestras, argumentando que havia motivos para desafiar as operações da Exxon, e logo encontrou uma alma gêmea em Troy Thomas, que era então presidente do Transparency Institute, a principal organização anticorrupção do país. Com o tempo, ele se tornaria um de seus colaboradores mais importantes.

Quando a Exxon começou a operar na Guiana, Thomas, como Janki, temia que a força corruptora do dinheiro do petróleo pudesse ameaçar os escassos ganhos políticos do país nos últimos anos – a temida “maldição do petróleo”. Os países que dependem da exportação de petróleo estão entre as nações economicamente mais problemáticas, autoritárias e conflituosas do mundo. Terry Lynn Karl, professor da Universidade de Stanford, documenta como, nos últimos 40 anos, as consequências de se tornar rico em petróleo – longe da promessa que oferece – tenderam a ser mais destrutivas do que positivas. Thomas estava bem ciente disso, bem como dos esforços crescentes em todo o mundo para abandonar completamente os combustíveis fósseis. “Sabemos que o petróleo é um beco sem saída”, diz ele.



Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here