17.5 C
Lisboa
Terça-feira, Maio 17, 2022

A guerra na Ucrânia pode finalmente convencer a Europa a adotar totalmente as energias renováveis?

Must read


Há algum tempo, os governos da UE vêm pressionando pelo gás natural e pela energia nuclear como parte essencial da transição energética de combustíveis fósseis com alto teor de carbono, como carvão e petróleo. Mas desde que a Ucrânia foi invadida, a dependência da Europa do gás russo desencadeou um impulso repentino em direção à independência energética, principalmente por meio de energias renováveis. Parece cada vez mais que a invasão de Putin pode ter sucesso em empurrar a Europa para as energias renováveis.

Crédito da imagem: Pixabay.

Na Alemanha, o chanceler Olaf Scholz disse que a energia renovável é “crucial” para a segurança energética da UE e o ministro das Finanças, Christian Lindner, pediu “energias de liberdade” renováveis. Enquanto isso, na França, Barbara Pompili, Ministra da Transição Ecológica, disse que acabar com a dependência de combustíveis fósseis, especialmente os russos, é essencial.

Em resposta, o Fique com a coalizão da Ucrânia, que agrupa centenas de organizações, incluindo grupos ambientais como o Greenpeace, disse que a proibição das importações de energia da Rússia seria um passo no caminho para acabar com a produção de combustíveis fósseis. Eles pediram “passos ousados” para a descarbonização global e para uma transição para energias renováveis ​​“limpas e seguras”.

A UE importou 155 bilhões de metros cúbicos de gás natural da Rússia em 2021, quase metade (45%) de suas importações de gás e quase 40% da quantidade total utilizada, segundo a Agência Internacional de Energia (AIE). Mas a guerra interrompeu em grande parte isso. Agora, espera-se que a Comissão Europeia apresente uma estratégia energética atualizada, que provavelmente dará às energias renováveis ​​um papel maior.

A corrida para acabar com essa dependência russa provavelmente exigirá o aumento das importações de países como os EUA e o Catar no curto prazo e provavelmente levará a uma maior produção doméstica de combustíveis fósseis. No entanto, esse não precisa ser o caminho a seguir, argumentam especialistas em clima, sugerindo independência energética por meio de energia limpa, como solar e eólica. A opção mais provável é uma mistura entre os dois.

Não há mais ilusões

A Europa se comprometeu a reduzir suas emissões de gases de efeito estufa em pelo menos 55% até 2030, atingindo zero emissões líquidas até 2050. De acordo com dados preliminares, as emissões da UE caíram 10% de 2019 a 2020 – fortemente relacionadas à pandemia de Covid-19. Em comparação, as emissões da UE caíram 4% de 2018 a 2019. Apesar de ser uma das promessas climáticas mais ambiciosas, ainda está longe do necessário se quisermos evitar os piores efeitos das mudanças climáticas.

Se a Europa quiser se livrar dos combustíveis fósseis russos, precisará de algumas fontes de petróleo e gás – mas focar em renováveis ​​é a aposta inteligente de longo prazo, enfatizam os pesquisadores.

O argumento de que a Europa poderia limitar sua dependência do gás russo concentrando-se em fontes locais de combustíveis fósseis e importando gás natural líquido dos EUA não é realista nem econômico, de acordo com o Think Tank Rastreador de Carbono. Seriam necessárias décadas para construir novas décadas de gás e obter depósitos locais, o que significa que as pressões sobre os preços não serão resolvidas imediatamente.

Por outro lado, as fontes de energia solar e eólica podem ser ampliadas significativamente como parte das políticas de descarbonização existentes. Isso seria mais rentável devido à grande queda nos preços das energias renováveis. O tanque de reflexão Instituto Wuppertal divulgou um estudo esta semana mostrando como o aquecimento na UE poderia funcionar completamente com energias renováveis ​​até 2013, graças às bombas de calor elétricas.

Enquanto isso, a AIE apresentou um mapa de estradas para ajudar a Europa na sua transição energética. O plano reduziria a dependência do bloco em relação ao gás natural russo em um terço em apenas um ano, cumprindo as promessas climáticas do bloco. É um conjunto de ações destinadas a diversificar a oferta de energia, com foco nas energias renováveis.

“Ninguém mais tem ilusões. O uso de seus recursos de gás natural pela Rússia como uma arma econômica e política mostra que a Europa precisa agir rapidamente para estar pronta para enfrentar uma incerteza considerável sobre o fornecimento de gás russo no próximo inverno”, disse o diretor executivo da AIE, Fatih Birol, em comunicado por escrito anunciando o plano.

As recomendações incluem não renovar os contratos de fornecimento de gás com a Rússia, que devem expirar no final do ano, aumentar a oferta de biogás e biometano, armazenar mais gás para ter um amortecedor de segurança, acelerar a implantação de energias renováveis, proteger clientes vulneráveis ​​e melhorando a confiabilidade e flexibilidade da rede de energia.



Fonte original deste artigo

- Advertisement -spot_img

More articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -spot_img

Latest article