A meta de conservação ’30×30′ divide e inspira na COP15

0
150


Mas outros questionam a mentalidade daqueles que tentam aplicá-la – mesmo que pareça bom no papel. Lakpa Nuri Sherpa, que é do Nepal, e representa o Pacto dos Povos Indígenas da Ásia, questionou se a abordagem “de cima para baixo” associada ao 30×30 funcionaria, a menos que aqueles que a implementassem mudassem radicalmente sua abordagem para os povos indígenas. “É aí que reside o problema porque a solução vem de cima, e eles realmente não conhecem as realidades no terreno, e a ‘solução’ não se torna uma solução”, diz ele, acrescentando que é crucial que os IPLCs sejam tratados com confiança e respeito, com “espírito de verdadeira parceria”.

Para o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, 30×30 é uma parte crucial de um acordo bem-sucedido para proteger os principais ecossistemas e impulsionar modelos de conservação baseados em indígenas, especialmente em grandes países, como Brasil, Rússia e China. Ele disse que seu país estava iniciando uma “história de reconciliação” com os povos indígenas.

Em novembro de 2021, um estudo continha mapas dos ecossistemas que a humanidade não deve destruir para cumprir as metas climáticas, que incluem as vastas florestas boreais e turfeiras da Rússia, China e Estados Unidos, e as florestas tropicais da Amazônia, Bacia do Congo e Indonésia. Essas áreas contêm 139 bilhões de toneladas métricas de carbono “irrecuperável”, e os pesquisadores disseram é aqui que os esforços 30×30 devem ser concentrados.

Há um número crescente de coalizões em torno da proteção desses ecossistemas. Na COP27, Brasil, República Democrática do Congo e Indonésia anunciou uma coalizão dos Três Grandes sobre florestas tropicais e disse que coordenaria as negociações sobre clima e biodiversidade da ONU sobre sua conservação. O novo presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que convocaria uma reunião pan-amazônica sobre a conservação da região no início de seu mandato. Grupos indígenas propostos uma área protegida para cobrir as maiores florestas tropicais do mundoequivalente ao tamanho do México, seja criado até 2025 na última cúpula da biodiversidade em 2018, uma meta conhecido como 80 por 25.

Campanha pela Natureza está pressionando pela conservação de pelo menos 30% da terra e do mar até 2030, vendo isso como um marco, com seu diretor Brian O’Donnell descrevendo-o como um “chão, não um teto”. O’Donnell diz que o mundo deveria estar caminhando para 50%, um passo importante para alcançar o biólogo de Harvard A visão de EO Wilson de proteger metade do planeta para a sobrevivência a longo prazo da humanidade. Quando se fala em áreas que precisam ser preservadas, tem que incluir as áreas mais ricas em biodiversidade, com conexões entre elas para evitar a conservação insular, diz.

Mas outro ponto de discórdia dentro da meta é se todo país tem que proteger 30×30, ou se é uma meta global (ou seja, a Holanda não conseguiu, mas países como o Brasil poderiam fazer muito mais). Nesse caso, os países mais ricos com menos biodiversidade deveriam pagar aos países mais pobres e mais biodiversos para não destruir sua natureza, pois são ativos internacionais – assim como nacionais.

Alguns países estão perguntando aos países desenvolvidos como eles podem esperar que não cortem suas florestas como os países ricos fizeram no passado. Em sua declaração de abertura da COP15, o grupo de países megadiversosque inclui Brasil, Índia e África do Sul, disse que a meta de 30% exigiria apoio financeiro e técnico significativo.



Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here