Aqui está o que vem a seguir para transplantes de órgãos de porco

0
47


A partir da década de 1960, os médicos tentaram transplantes de rins, corações e fígados de babuínos e chimpanzés – parentes genéticos mais próximos dos humanos – em pessoas. Mas os órgãos falharam em semanas, senão dias, devido a rejeição ou infecção. Esses esforços foram amplamente abandonados depois que “Bebê Fae”, uma criança com um problema cardíaco fatal, morreu um mês após receber um transplante de coração de babuíno em 1984. (Seu sistema imunológico rejeitou o coração.)

Na década de 1990, os pesquisadores voltaram sua atenção para os porcos. Seus órgãos são mais semelhantes em tamanho aos humanos e levam apenas alguns meses para crescer até um tamanho adequado para doação. Ao contrário dos primatas, há menos preocupação com a transmissão de vírus semelhantes ao HIV para os pacientes (embora os porcos tenham diferentes tipos de vírus). E os cientistas achavam que os doadores de porcos seriam mais aceitos pelo público, já que já são criados para a agricultura.

Mas as diferenças biológicas entre porcos e humanos tornam o transplante muito mais desafiador. Assim, os pesquisadores recorreram à engenharia genética para tornar os órgãos dos porcos mais adequados para os receptores humanos – excluindo os genes dos porcos e acrescentando os humanos para prevenir a rejeição imunológica, a coagulação do sangue e a inflamação.

Todos os órgãos de porcos usados ​​em humanos este ano tiveram 10 edições genéticas – embora as modificações exatas diferissem ligeiramente. Um que cada um deles tinha em comum era a deleção de um gene chamado alfa gal, que está envolvido na rejeição hiperaguda, que ocorre poucos minutos após o transplante do tecido suíno. Isso significava que nenhum dos órgãos transplantados foi imediatamente rejeitado. Ainda assim, diferentes tipos de rejeição podem acontecer semanas ou meses depois, e os cientistas não sabem quais edições, ou quantas delas, levarão aos melhores resultados.

A equipe de Maryland tem apresentar algumas teorias sobre por que o coração de Bennett finalmente falhou. Embora não apresentasse sinais típicos de rejeição, mostrou danos aos capilares – os menores e mais delicados vasos sanguíneos – durante uma autópsia. Mohiuddin diz que isso pode ser evidência de um tipo de rejeição imunológica que a equipe não havia visto antes em babuínos que receberam corações de porco.

Outra possibilidade é que o paciente tenha sido infectado por um vírus encontrado naturalmente em porcos e, em seu estado de imunocomprometimento causado por medicamentos anti-rejeição, o vírus fez o coração parar. Os cientistas já estavam à procura de retrovírus endógenos suínos, que estão integrados ao genoma do porco. Esses vírus não eram detectáveis ​​no tecido cardíaco de Bennett, mas havia outro tipo: o citomegalovírus suíno, ou pCMV. A infecção também pode explicar o dano capilar, diz Mohiuddin.

Desde então, a equipe de Maryland desenvolveu um teste para detectar DNA viral de porco em quantidades muito pequenas, que eles usaram no tecido de babuínos implantados em corações de porco. Em testes de laboratório, eles encontraram evidências do vírus em vários animais, mas nenhuma correlação entre a infecção e a duração dos corações transplantados.

Uma terceira explicação é que uma terapia de anticorpos que Bennett recebeu atacou seu coração. A droga, imunoglobulina intravenosa, é para pessoas com sistema imunológico enfraquecido, como pacientes transplantados. Mas como é feito de um pool de anticorpos de milhares de doadores, pode conter anticorpos naturais que podem ter atacado células no coração do porco.



Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here