18.1 C
Lisboa
Segunda-feira, Agosto 8, 2022

Cientistas agora podem rastrear a história da Terra em grãos individuais de areia

Must read


Grãos de areia em uma praia podem nos dizer mais do que você imagina sobre a história do planeta, revela uma nova pesquisa – algo para pensar na próxima vez que você for à costa para nadar ou mergulhar.

Cientistas desenvolveram uma nova métrica para determinar o que eles chamam de “impressão digital de distribuição etária” do mineral zircão na areia. Essa impressão digital pode ser usada para revelar mais sobre a evolução da superfície da Terra ao longo de bilhões de anos.

Zircão é algo que geólogos procuram, porque pode ser formado quando os continentes colidem uns com os outros. Esses cristais podem, em alguns casos, ter bilhões de anos, carregando uma enorme quantidade de história com eles.

A durabilidade do zircão o torna resistente à erosão geológica e, ao formar sedimentos, armazena informações junto com ele.

À medida que a crosta se junta, forçando novas rochas a congelar, uma marca de tempo da idade da rocha é preservada em sua composição. Mesmo depois de se desintegrar em minúsculos grãos, é possível reunir vestígios dessa história.

“As praias do mundo registram fielmente uma história detalhada do passado geológico do nosso planeta, com bilhões de anos de história da Terra impressos na geologia de cada grão de areia, e nossa técnica ajuda a desbloquear essas informações”, disse. diz o sedimentologista Milo Barham pela Curtin University na Austrália.

Ao descobrir a distribuição etária do zircão em uma amostra de areia – de bebês a idosos, em termos geológicos – a nova técnica permite aos cientistas descobrir quais eventos geradores de montanhas estavam ocorrendo nas eras que antecederam o depósito desse banco de sedimento.

A abordagem é ainda capaz de lançar luz sobre como a Terra desenvolveu pela primeira vez uma biosfera habitável, de acordo com os pesquisadores, olhando mais para trás no tempo do que outros métodos de análise geológica.

Outra vantagem que esta nova técnica de pesquisa tem sobre métodos existentes é que ele pode ser usado para entender os movimentos tectônicos mesmo quando a idade do próprio depósito de sedimentos não é conhecida (um cenário em que os pesquisadores muitas vezes se encontram).

A equipe testou seu novo método com três estudos de caso que destacaram como funciona a impressão digital de distribuição de idade, estudando sedimentos na América do Sul, Antártica Oriental e Austrália Ocidental.

“Por exemplo, os sedimentos nas costas oeste e leste da América do Sul são completamente diferentes porque existem muitos grãos jovens no lado oeste que foram criados a partir de crostas que mergulham sob o continente, causando terremotos e vulcões nos Andes”. diz o geocronologista Chris Kirkland da Universidade Curtin.

“Enquanto que, na costa leste, tudo é relativamente calmo geologicamente e há uma mistura de grãos velhos e jovens colhidos de uma diversidade de rochas em toda a bacia amazônica”.

A nova análise correspondeu ao que pesquisas anteriores haviam descoberto sobre os sites. Mesmo grãos de areia individuais podem revelar as forças tectônicas que os criaram, com base na distribuição etária dos sedimentos ao seu redor, dizem os pesquisadores.

A nova técnica pode ser usada para reanalisar dados de estudos mais antigos, sugerem os pesquisadores, bem como para extrair mais detalhes de sedimentos adequados em pesquisas futuras.

“Esta nova abordagem permite uma maior compreensão da natureza da geologia antiga, a fim de reconstruir o arranjo e o movimento das placas tectônicas da Terra ao longo do tempo”, disse. diz Barham.

A pesquisa foi publicada em Cartas de Ciências da Terra e Planetárias.



Fonte original deste artigo

- Advertisement -spot_img

More articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -spot_img

Latest article