Cientistas estão um passo mais perto de entender a morte súbita cardíaca

0
18


Conceito de ataque cardíaco

A parada cardíaca súbita é uma condição potencialmente fatal na qual seu coração para de bater repentinamente.

A cardiomiopatia arritmogênica, uma doença cardíaca que afeta principalmente atletas jovens, pode resultar em morte súbita. o Universidade de Basileia recentemente modificou camundongos geneticamente que desenvolveram uma doença comparável à encontrada em humanos. Como resultado, a equipe conseguiu identificar mecanismos não descobertos anteriormente e possíveis alvos de tratamento.

Os fãs do time de futebol Sevilla FC nunca esquecerão o jogo de agosto de 2007, quando Antonio Puerta, de 22 anos, teve uma parada cardíaca, desmaiou em campo e acabou falecendo no hospital. Posteriormente, descobriu-se que o atleta sofria de uma condição conhecida como cardiomiopatia arritmogênica.

Esta doença hereditária afeta um em cada 5.000 indivíduos, sendo os homens mais afetados do que as mulheres. “A cardiomiopatia arritmogênica leva à arritmia com perda de células musculares cardíacas, depósitos de tecido conjuntivo e gordura dentro do músculo cardíaco. Isso pode causar morte cardíaca súbita, muitas vezes durante o exercício”, diz Volker Spindler, anatomista e chefe do grupo de adesão celular do Departamento de Biomedicina da Universidade de Basel.

Hoje, reconhece-se que várias mutações genéticas podem desencadear a condição. Não há tratamento, mesmo com diagnóstico precoce; apenas opções de gerenciamento de sintomas estão disponíveis.

“Os pacientes são aconselhados a evitar qualquer esporte competitivo ou de resistência e devem tomar medicamentos como betabloqueadores. Quando for o caso, pode-se fazer ablação por cateter ou usar desfibrilador implantável”, diz a cardiologista Gabriela Kuster, que coordena o Grupo de Pesquisa do Miocárdio do Departamento de Biomedicina. Às vezes, a única opção é um transplante de coração.

As células musculares cardíacas perdem sua viscosidade

O ponto de partida do projeto foi a noção de que muitas das mutações afetam estruturas conhecidas como desmossomos. Estes são aglomerados de proteínas na superfície das células musculares cardíacas que garantem uma conexão firme entre as células. “Você pode imaginar esses aglomerados agindo como um pedaço de velcro”, diz a médica Dra. Camilla Schinner, primeira autora do estudo que acaba de ser publicado na revista Circulation. Isso levou à teoria de que as mutações reduzem a adesão entre as células, enfraquecendo assim o músculo cardíaco.

Para testar essa hipótese, a equipe de Spindler introduziu uma mutação semelhante à encontrada em pacientes no genoma de camundongos. A função cardíaca desses animais foi então examinada pelo grupo de Kuster. O resultado: os animais geneticamente modificados apresentaram uma doença cardíaca com arritmia que se assemelhava à cardiomiopatia arritmogênica em humanos. Além disso, análises microscópicas e bioquímicas mostraram, de fato, adesão reduzida entre as células musculares cardíacas. Os pesquisadores também observaram a cicatrização do músculo cardíaco típica dessa doença.

Prevenindo danos ao tecido cardíaco

O próximo passo foi investigar como o músculo cardíaco doente diferia das condições saudáveis ​​no nível molecular. Camundongos com a mutação mostraram uma quantidade aumentada de uma proteína específica nas estruturas semelhantes a velcro das células do músculo cardíaco. Isso leva, por meio de uma série de eventos, à deposição de tecido conjuntivo e à cicatrização do coração. A adição de uma substância que bloqueia essa cascata impediu a progressão da doença – e é por isso que Spindler vê aqui uma nova abordagem de tratamento em potencial.

“No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer até que uma aplicação em humanos seja considerada”, ressalta. “Mas agora temos melhores opções para estudar a doença com mais detalhes para melhorar nossa compreensão dos mecanismos subjacentes”.

Referência: “Defective Desmossomal Adhesion Causes Arhythmogenic Cardiomyopathy by Envolving an Integrin-αVβ6/TGF-β Signaling Cascade” por Camilla Schinner, Lifen Xu, Henriette Franz, Aude Zimmermann, Marie-Therès Wanuske, Maitreyi Rathod, Pauline Hanns, Florian Geier, Pawel Pelczar, Yan Liang, Vera Lorenz, Chiara Stüdle, Piotr I. Maly, Silke Kauferstein, Britt M. Beckmann, Farah Sheikh, Gabriela M. Kuster e Volker Spindler, 21 de outubro de 2022, Circulação.
DOI: 10.1161/CIRCULATIONAHA.121.057329





Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here