Congresso oferece US$ 1 bilhão para ajuda climática, ficando aquém da promessa de Biden

0
20


WASHINGTON – O Congresso propôs US$ 1 bilhão para ajudar os países pobres a lidar com a mudança climática, uma cifra que fica significativamente aquém da promessa do presidente Biden de que os Estados Unidos gastarão US$ 11,4 bilhões anualmente até 2024 para garantir que os países em desenvolvimento possam fazer a transição para a energia limpa e se adaptar a uma planeta em aquecimento.

O dinheiro faz parte de um amplo pacote de gastos do governo de US$ 1,7 trilhão que os legisladores divulgaram na terça-feira e devem ser votados nesta semana.

Os democratas buscaram US$ 3,4 bilhões para vários programas climáticos globais, mas os republicanos anularam o que chamaram de “políticas ambientais e climáticas radicais” na conta de gastos. Os republicanos estão prestes a assumir o controle da Câmara em janeiro, diminuindo ainda mais as perspectivas de fundos climáticos adicionais pelo menos nos próximos dois anos.

O revés para Biden ocorre um mês depois de ele comparecer às negociações climáticas das Nações Unidas no Egito, onde prometeu entregar ajuda financeira aos países em desenvolvimento que sofrem os impactos de uma crise climática para a qual estão mal preparados e não pouco para causar.

“A crise climática está atingindo mais fortemente os países e comunidades que têm menos recursos para responder e se recuperar”, disse Biden na reunião.

Os Estados Unidos são o país que historicamente lançou a maior quantidade de dióxido de carbono na atmosfera.

Este é o segundo ano consecutivo em que o Congresso reduz os pedidos de ajuda climática do presidente. Ativistas disseram que a incapacidade do governo Biden de atingir seus próprios objetivos minou a credibilidade dos Estados Unidos no exterior e questionou o próprio compromisso do presidente de “restabelecer os Estados Unidos como um líder global confiável e comprometido com o clima”.

Os democratas culparam os republicanos, cujos votos são necessários para aprovar o projeto de lei de gastos, que não incluía nenhum dinheiro para o Fundo Verde para o Clima, um programa liderado pelas Nações Unidas.

“O Congresso acabou de financiar um projeto de lei de defesa que era US$ 45 bilhões maior do que o pedido do presidente, mas não fornecemos um centavo para cumprir nossos compromissos com o Fundo Verde para o Clima – uma medida que realmente nos ajudaria a defender nosso país e nosso planeta do caos e instabilidade”, disse o senador Edward J. Markey, democrata de Massachusetts. Ele disse que a “recusa dos republicanos em se envolver com a mudança climática de qualquer maneira significativa” foi responsável pelo déficit.

Um porta-voz do senador Mitch McConnell, de Kentucky, líder da minoria, não respondeu a um pedido de comentário.

Saloni Sharma, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse em um comunicado que atingir a meta de US$ 11,4 bilhões de Biden é uma prioridade máxima. “Nas últimas semanas e no fim de semana passado, membros do governo trabalharam para garantir financiamento no FY23 que nos coloca no caminho para atingir essa meta”, disse ela. “Continuaremos a trabalhar com o Congresso para tornar realidade essa meta no FY24.”

Ajudar outras nações a se adaptar e mitigar os danos causados ​​por um planeta em aquecimento sempre foi uma tarefa difícil no Congresso. O presidente Barack Obama prometeu US$ 3 bilhões para o Green Climate Fund, mas entregou apenas US$ 1 bilhão desse dinheiro. O presidente Donald J. Trump chamou o fundo de “esquema para redistribuir riqueza para fora dos Estados Unidos” e zerou o dinheiro para ele, assim como a maior parte de outros financiamentos climáticos globais.

O $ 1 bilhão em dinheiro climático internacional no projeto de lei de gastos seria distribuído em vários programas, incluindo os Fundos de Investimento Climático, que estão alojados no Banco Mundial e visam ajudar os países a desenvolver energia limpa; o Global Environment Facility, um fundo multilateral que se concentra na biodiversidade e tende a ganhar o apoio republicano; e programas menores direcionados a ajudar as nações mais pobres do mundo. O dinheiro marcou um aumento de 0,09% em relação à alocação do Congresso em 2021.

Enquanto isso, o governo Biden aumentou as apostas. Na cúpula do clima das Nações Unidas no Egito, os Estados Unidos concordaram com a criação de um fundo inteiramente novo destinado a ajudar os países pobres que estão sofrendo perdas irreversíveis com as mudanças climáticas. Os Estados Unidos e outros países industrializados não se comprometeram com um nível específico de financiamento.

Em uma entrevista neste mês, John Kerry, enviado especial para o clima de Biden, disse que os Estados Unidos têm uma história de apoio bipartidário ao que chamou de “esforços humanitários”.

Christina DeConcini, diretora de assuntos governamentais do World Resources Institute, concordou, apontando para raras áreas de acordo, como o apoio bipartidário para ajudar o Haiti após o terremoto de 2010. Conseguir o apoio do Congresso para questões climáticas internacionais era uma questão de educar os legisladores, disse ela.

Jake Schmidt, diretor estratégico sênior para questões climáticas internacionais do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais, um grupo de defesa, disse que Biden ainda pode atingir sua meta anual de US$ 11,4 bilhões, mas disse que seria uma “subida íngreme” e exigiria mudanças nas agências. onde a administração tem influência significativa, como o Export-Import Bank dos Estados Unidos.

Ativistas no exterior, no entanto, disseram estar cada vez mais frustrados com o que veem como um desinteresse americano bipartidário em ajudar os países pobres a lidar com as consequências de uma crise que não causaram.

“Os EUA são o maior emissor histórico do mundo e, em termos per capita, os EUA continuam sendo um dos maiores poluidores de carbono”, disse Mohamed Adow, o fundador e diretor do Power Shift Africa, um grupo que visa mobilizar a ação climática em todo o continente. Ele chamou os níveis de financiamento dos EUA de “extremamente decepcionantes” e disse que eles mostraram um desrespeito pelo órgão climático das Nações Unidas que estabeleceu formas de consenso global para ajudar as nações pobres.

“Os EUA prometeram muito em termos de financiamento climático ao longo dos anos, mas falharam em cumprir muitas dessas promessas”, disse Adow.

Max Bearak contribuiu com reportagens de Nova York.



Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here