Dia 23: No dia de Natal, sem descanso para os cansados. (Ou o cara que alimenta os pinguins.)

0
46


Até que o pinguim africano comece a observar feriados federais, Sparks Perkins também não.

O que quer dizer que a manhã de 25 de dezembro não trará presentes e visco para o São Francisco de 33 anos, mas enfeites de bico e tripas de peixe.

Um biólogo da Aquário Steinhart da Academia de Ciências da Califórnia, O Sr. Perkins pertence a esse conjunto inabalável – pessoal do hospital, bombeiros, armadores – cujo trabalho faz uma pausa para nenhum feriado. Chame-o de pessoal aviário essencial, ligado às necessidades dos cerca de 50 pássaros residentes. Fins de semana, tarde da noite: tudo vale para qualquer emergência que surja entre o rebanho do Sr. Perkins.

“Trabalhei seis dos últimos 10 Natais”, disse ele. “Esse é apenas o preço de começar a trabalhar com esses animais.”

O Sr. Perkins descreve esse trabalho como entrar em uma novela diária. Este pássaro acorda rabugento, aquele atrevido. As chaves são roubadas dos cintos. A famosa monogamia dos pinguins relaxa um pouco.

“Alguns têm olhos errantes. Eles vão passear um pouco e depois voltam”, disse o Sr. Perkins.

Ocasionalmente, eles trocam completamente de equipe. Um tempo atrás, um casal de pinguins de Magalhães machos do Brasil se uniu do nada.

“Aqueles meninos fizeram o ninho mais fabuloso”, lembrou o Sr. Perkins. “Lembro que eles eram os melhores designers de interiores.”

Natural do Mississippi, o Sr. Perkins adora pássaros desde os 3 anos de idade, quando seus pais lhe deram seu primeiro periquito. Seguiram-se araras, pombinhos e pombos ornamentais. Algumas noites traziam viagens às 4 da manhã ao correio, para pegar uma carroça de faisões que ele havia encomendado.

“Eu era um garoto de 14 anos muito diferente. ele disse. “Em vez de jogar futebol depois da escola, eu ia para os aviários que construí. Eu tinha cerca de 70 pássaros.”

A coleção da própria Academia cresceu recentemente, com a chegada de dois pinguins africanos filhotes. Dado o papel da instituição na preservação de espécies ameaçadas – o Sr. Perkins acabou de voltar de um projeto de conservação na África do Sul – ajudar essas aves a prosperar tem sido fundamental. Todas as manhãs, o Sr. Perkins levanta cada filhote de seu ninho, coloca-o em uma pequena balança e registra um número adorável de gramas. Ganhar peso durante as férias é incentivado aqui.

Os pinguins possuem uma dignidade silenciosa, embora oscilante. Os filhotes de pinguim não possuem nenhum. Eles são orbes rechonchudos de penugem, ineptos, nem mesmo na água são confiáveis. Até que essa penugem seja substituída por plumagem juvenil, eles afundam como pedrinhas doces. Mas em cativeiro, eles podem viver cerca de 30 anos, até o dobro de sua expectativa de vida na natureza. Eles precisam de estimulação para mantê-los felizes e saudáveis, e os biólogos daqui quebram ponteiros laser, sopram bolhas e tocam sons de colônias em um iPad.

As aves também se enriquecem com a visão dos visitantes observando eles. No auge da pandemia, sem ninguém do outro lado do vidro, funcionários fizeram ioga para os animais.

Neste Natal, Perkins e seus colegas encontrarão pequenas maneiras de tornar o dia especial, enquanto os pássaros grasnam como sempre. Não são rolas nem perdizes numa pereira, mas são da família.



Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here