Existem pequenos pontos brilhantes por todo o sol, e podemos finalmente conhecer sua origem

0
152


As manchas solares não são as únicas manchas que decoram a face dinâmica do nosso Sol. Físicos solares fizeram um estudo minucioso de pequenas e fugazes manchas de brilho que emergem e desaparecem em menos de um minuto em média, em regiões onde loops de plasma se elevam da superfície solar.

Eles são chamados de ‘pontos solares’. O fenômeno fugaz, a análise revelou, é provavelmente o resultado de travessuras magnéticas – o que não seria muito surpreendente, dado que as mudanças no campo magnético desempenham um papel enorme em todos os tipos de fenômenos solares malucos.

No entanto, a descoberta sugere que o Sol é ainda mais complexo do que sabíamos; a análise dessas sardas solares pode melhorar nossa compreensão do papel do campo magnético na dinâmica solar e do próprio campo magnético.

Os pontos fascinantes foram vistos em imagens do conjunto NASA-ESA Solar Orbiter, lançado em 2020, quando o Sol havia acabado de entrar em um novo ciclo e estava ficando mais ativo.

Em 20 de maio de 2020, a espaçonave fotografou algumas regiões de fluxo magnético, com laços magnéticos saindo da fotosfera solar.

O campo magnético solar é uma fera complicada. É gerado por um processo de dínamo no interior solar – o movimento de um fluido convectivo e condutor que gera campos elétricos e magnéticos. Não sabemos exatamente como funciona, mas o campo magnético resultante as linhas são numerosas, dinâmicas e complexas.

Manchas solarespor exemplo, são regiões onde os campos magnéticos são particularmente fortes, e as erupções solares e ejeções de massa coronal são produzidas por linhas de campo magnético que se rompem e se reconectam.

Os ciclos solares de 11 anos mencionados anteriormente são impulsionados pela inversão do campo magnético que ocorre a cada 11 anos, quando os pólos magnéticos solares trocam de lugar.

Liderada pelo astrofísico Sanjiv Tiwari, do Laboratório Solar e Astrofísico da Lockheed Martin, uma equipe de cientistas examinou mais de perto uma dessas regiões de fluxo magnético, fotografadas em comprimentos de onda ultravioleta extremos. Eles encontraram pequenas manchas redondas de brilho quase escondidas no plasma solar.

O processamento de imagens deu mais destaque aos pontos, permitindo que a equipe os estudasse em detalhes. Ao longo de cerca de uma hora, eles foram capazes de observar e caracterizar cerca de 170 pontos.

No geral, em média, os pontos tinham cerca de 675 quilômetros (420 milhas) de diâmetro (ei, isso é pequeno para o Sol), eram cerca de 30% mais brilhantes que o plasma circundante e duravam, em média, apenas 50 segundos antes de desaparecer novamente. Cerca de metade dos pontos permaneceram isolados durante suas breves vidas, enquanto o restante se dividiu em dois, fundiu-se com outros pontos ou desenvolveu loops ou jatos explosivos.

A comparação com dados do Solar Dynamics Observatory da NASA mostrando o campo magnético do Sol revelou que os pontos apareceram em todo o campo de visão coberto pelo Solar Orbiter, mas estavam mais densamente agrupados em regiões mais magneticamente ativas, especialmente os pontos maiores e mais brilhantes.

O próximo passo foi tentar descobrir o que causa as manchas. Isso exigiu o uso de um software que simula a magnetohidrodinâmica da atmosfera solar, Bifrost.

Esta simulação revelou que os pontos podem ser momentos de reconexão magnética entre as linhas de campo magnético que emergem da superfície solar e as linhas de campo magnético que descem para ela.

Como a reconexão magnética na atmosfera solar produz loops, isso explicaria por que muitos dos pontos se estendem em um loop estendido durante sua evolução.

No entanto, alguns dos pontos não apareceram em regiões com campos magnéticos emaranhados, o que sugere que pode haver vários caminhos de formação para essas características misteriosas. Uma possível explicação, segundo a equipe, é a propagação de ondas magnetoacústicas no plasma solar, que podem produzir choques que resultam em pontos.

Mas o mistério está longe de ser resolvido. Os pontos fotografados pelo Solar Orbiter não são os únicos pontos vistos no Sol, e foram observados em diferentes comprimentos de onda e diferentes ambientes magnéticos.

Pesquisas futuras, disse a equipe, podem ajudar a resolver essas questões em aberto, aproximando-nos da verdadeira compreensão de nossa estrela fascinante.

A pesquisa foi publicada em O Jornal Astrofísico.



Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here