23.2 C
Lisboa
Quinta-feira, Julho 7, 2022

Floresta Amazônica pode estar se aproximando de um ponto crítico, diz estudo

Must read


A Amazônia está perdendo sua capacidade de se recuperar de distúrbios como secas e mudanças no uso da terra, relataram cientistas na segunda-feira, aumentando a preocupação de que a floresta tropical esteja se aproximando de um limite crítico além do qual grande parte será substituída por pastagens, com vastas consequências para a biodiversidade e das Alterações Climáticas.

Os cientistas disseram que sua pesquisa não identificou quando esse limite, que eles descreveram como um ponto de inflexão, pode ser alcançado.

“Mas vale a pena lembrar a nós mesmos que, se chegarmos a esse ponto de inflexão, que nos comprometermos a perder a floresta amazônica, teremos um feedback significativo sobre as mudanças climáticas globais”, disse um dos cientistas, Tim Lenton, diretor do Global Systems Instituto da Universidade de Exeter, na Inglaterra.

Perder a floresta tropical pode resultar em até 90 bilhões de toneladas de dióxido de carbono que retém o calor sendo devolvidos à atmosfera, disse ele, o equivalente a vários anos de emissões globais. Isso tornaria mais difícil limitar o aquecimento global.

Entre os estudos anteriores, havia um grande grau de incerteza sobre quando esse limite poderia ser alcançado. Mas algumas pesquisas concluíram que o desmatamento, a seca e outros fatores podem levar à extinção substancial da floresta na Amazônia até o final deste século.

Carlos Nobre, cientista sênior do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia no Brasil e um dos primeiros a soar o alarme sobre a potencial perda da Amazônia há mais de três décadas, descreveu o novo estudo como “muito convincente”.

“Isso aumentou meu nível de ansiedade”, disse o Dr. Nobre, que não esteve envolvido na pesquisa.

Cobrindo mais de dois milhões de milhas quadradas no Brasil e países vizinhos, a Amazônia é a maior floresta tropical do mundo e desempenha um papel crucial na mitigação das mudanças climáticas na maioria dos anos, absorvendo mais dióxido de carbono da atmosfera do que libera. Em sua diversidade de espécies vegetais e animais, é tão ou mais rica do que qualquer outro lugar do planeta. E bombeia tanta umidade para a atmosfera que pode afetar o clima além da América do Sul.

Mas as mudanças climáticas, juntamente com o desmatamento generalizado e as queimadas para agricultura e pecuária, afetaram a Amazônia, tornando-a mais quente e seca. A região, uma das mais úmidas da Terra, passou por três secas desde 2000.

A maioria dos estudos anteriores de resiliência na Amazônia baseou-se em modelos, ou simulações, de como a saúde da floresta pode mudar ao longo do tempo. Na nova pesquisa, os cientistas usaram observações reais: décadas de dados de sensoriamento remoto de satélites que medem a quantidade de biomassa em áreas específicas, o que corresponde à sua saúde. Observando apenas partes intocadas da floresta tropical, os pesquisadores descobriram que, em geral, desde 2000, essas áreas perderam resiliência. Por exemplo, levou cada vez mais tempo para as áreas florestais recuperarem sua saúde depois de sofrerem com uma seca.

“Essa falta de resiliência mostra que, de fato, essa floresta pode aguentar até certo ponto”, disse Paulo Brando, ecologista tropical da Universidade da Califórnia, Irvine, que não esteve envolvido no estudo. “Está reduzindo a capacidade de se recuperar.”

Mas o Dr. Brando disse que isso não era necessariamente um sinal de que um ponto de inflexão era inevitável e apontou para a necessidade de parar o corte raso e a degradação florestal na região. “Esses sistemas são altamente resilientes, e o fato de termos uma resiliência reduzida não significa que perdeu toda a sua resiliência”, disse ele. “Se você deixá-los sozinhos por um tempo, eles voltam com muita força.”

Os pesquisadores descobriram que mais de três quartos da floresta tropical intocada perdeu resiliência ao longo desse tempo e que a perda foi maior em áreas mais secas ou mais próximas de atividades humanas, como a extração de madeira. O estude foi publicado na revista Nature Climate Change.

Chris Boulton, pesquisador da Universidade de Exeter e principal autor do estudo, disse que a Amazônia era como uma gigante rede de reciclagem de água, pois a umidade da evaporação e a transpiração das árvores são sopradas pelos ventos. Assim, a perda de parte da floresta e parte da umidade leva a mais secagem em outros lugares.

“Você pode imaginar que, à medida que a Amazônia seca, você começa a ver essa resiliência sendo perdida cada vez mais rápido”, disse Boulton. As florestas podem então declinar e morrer relativamente rápido e se tornar mais como uma savana, com gramíneas e muito menos árvores.

A perda de árvores florestais não apenas adicionaria o carbono armazenado em seus tecidos de volta à atmosfera, como as savanas também absorveriam muito menos carbono do que as grandes árvores de folhas largas que elas substituíram. O habitat da savana também suportaria muito menos espécies.

Dr. Nobre disse que a pesquisa mostra que a Amazônia “está à beira desse penhasco, essa mudança para um ecossistema diferente”. E se isso acontecesse, ele acrescentou, “esse seria o novo ecossistema por centenas de anos, talvez milhares de anos”.

Cerca de 17% da Amazônia foi desmatada no último meio século e, embora o ritmo do desmatamento tenha diminuído por alguns anos no Brasil, pegou novamente mais recentely. Os pesquisadores disseram que seu trabalho mostrou que os esforços para impedir o desmatamento não apenas protegeriam áreas específicas, mas afetariam a resiliência da Amazônia como um todo.

“Eles estão absolutamente corretos”, disse o Dr. Nobre. Temos que chegar a zero desmatamento, zero degradação florestal”, acrescentando: “Ainda temos uma chance de salvar a floresta”.



Fonte original deste artigo

- Advertisement -spot_img

More articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -spot_img

Latest article