Há uma nova explicação para pares de traços ‘genéticos’: seus pais

0
36


Border e seus colegas não são os primeiros a levantar a possibilidade de correlações genéticas espúrias. Ao projetar estudos, os geneticistas podem controlar os efeitos de fatores como características dos pais e ambiente infantil, comparando pessoas que têm essas coisas em comum – ou seja, irmãos. No início deste ano, o geneticista estatístico Laurence Howe e uma equipe de pesquisadores fizeram exatamente isso. Quando Howe comparou irmãos entre si, observou nenhuma correlação genética entre IMC e anos de educação. De alguma forma, foram os pais, e não os próprios genes, que fizeram peso e educação parecerem geneticamente conectados.

Mas o estudo de Howe não explicou exatamente Como as os pais desempenharam um papel. Havia algumas possibilidades promissoras. Os pais não apenas transmitem genes para seus filhos – eles também transmitem seu status socioeconômico, o que tem consequências tanto para a escolaridade quanto para a dieta. E, claro, os pais geralmente escolhem com quem se reproduzem. Loic Yengo, líder do grupo do Laboratório de Genômica Estatística da Universidade de Queensland, diz que os geneticistas perceberam que o acasalamento sortido de características cruzadas poderia — em teoria — aumentar as correlações genéticas. Mas ninguém ainda havia produzido evidências concretas de que sim.

Border e seus colegas encontraram essa evidência. Estudar em detalhes o acasalamento seletivo de características cruzadas requer saber o quanto isso realmente acontece no mundo real. Parece razoável que pessoas deprimidas possam acabar com pessoas ansiosas devido à experiência compartilhada de viver com uma doença mental, ou que pessoas instruídas tendam a se casar com pessoas com pontuações altas em testes de QI, mas Border precisava colocar números nessas tendências. . A equipe conseguiu encontrar as informações necessárias no UK Biobank, um enorme conjunto de dados que inclui dados genéticos, médicos e demográficos sobre centenas de milhares de residentes no Reino Unido. Eles descobriram que quanto mais frequentemente as pessoas que tinham um determinado par de características tendiam a se acasalar, mais essas características pareciam ser geneticamente correlacionadas. Era razoável suspeitar, então, que o acasalamento seletivo estava de fato fazendo algumas correlações genéticas parecerem mais fortes do que seriam de outra forma.

Ainda assim, essa observação não provou que o acasalamento seletivo poderia criar a ilusão de uma ligação genética onde não existia nenhuma. Assim, Border e sua equipe adotaram uma abordagem computacional: seguindo as tendências conjugais que observaram nos dados do Biobank do mundo real, eles simularam uma população de pessoas que formavam casais. Esses casais imaginários se reproduziam, e seus filhos encontravam parceiros, e os filhos de seus filhos — e assim por diante. Os cientistas rastrearam os genes e características de todos esses indivíduos simulados e, usando essas informações, foram capazes de calcular as correlações genéticas em cada geração. O que eles descobriram confirmou suas suspeitas – mesmo que duas características fossem totalmente não relacionadas geneticamente na primeira geração, se as pessoas que tinham essas características tendiam a acasalar umas com as outras, os genes eventualmente começavam a parecer correlacionados. Com base nas simulações, eles estimaram que o acasalamento seletivo por si só poderia explicar até metade da correlação genética entre o IMC e a educação.

Mas o acasalamento seletivo não foi tão longe para explicar algumas das outras correlações aparentes que eles simularam. Parece desempenhar um papel menor nas correlações genéticas entre alguns pares de condições psiquiátricas, como transtorno bipolar e esquizofrenia, ou depressão maior e ansiedade. Como cada par de condições compartilha tantas semelhanças genéticas, alguns cientistas se perguntam se elas deveriam ser consideradas condições separadas. Mesmo levando em consideração o acasalamento seletivo, esse argumento ainda parece válido.



Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here