Nuvens brancas misteriosas continuam aparecendo perto das Bahamas, e ninguém sabe o porquê: ScienceAlert

0
11


A fatia de oceano espremida entre a Flórida e as Bahamas é um dos ambientes marinhos mais bem estudados do mundo, mas também é o epicentro de um mistério geológico duradouro.

Desde pelo menos a década de 1930, os cientistas da região notaram estranhas nuvens brancas ondulantes aparecendo na tranquilidade turquesa da superfície da água.

O curioso fenômeno é chamado de ‘evento do badejo’, e os cientistas ainda não entendem por que ele ocorre nas Bahamas.

Tornou-se uma espécie de ‘baleia branca’ para pesquisadores da vizinha University of South Florida (USF).

Eventos Bahama Badejo
Imagens de satélite de 2015 de eventos de badejo nas Bahamas. (NASA Earth Observatory/Joshua Stevens, usando dados do US Geological Survey)

As manchas desconcertantes de oceano de cor clara às vezes são notadas em outros oceanos e lagos em todo o mundo, mas nas Bahamas, elas aparecem com mais frequência do que o normal.

A amostragem direta das águas turvas sugere que elas contêm altas concentrações de partículas ricas em carbonato.

Grande parte do arquipélago das Bahamas fica em uma plataforma submersa de carbonato conhecida como Bahama Banks. Isso significa que os sedimentos estão subindo à superfície? Ou será que as florações de fitoplâncton estão realmente produzindo o material suspenso?

Ninguém sabe as respostas para essas perguntas, mas os cientistas da USF estão determinados a descobrir. Eles usaram imagens de satélite da NASA para mostrar como os eventos de badejo vão e vêm nas Bahamas.

A equipe não sabe se as tendências identificadas são naturais ou causadas pelo homem, mas o que eles sabem é que, de 2003 a 2020, o tamanho desses eventos de badejo parecia correlacionar-se com as estações do ano.

As maiores manchas ocorreram de março a maio e de outubro a dezembro. Em média, as manchas brancas tinham cerca de 2,4 quilômetros quadrados cada. Em um dia com céu claro, as imagens de satélite geralmente captam cerca de 24 deles, cobrindo uma área total de 32 quilômetros quadrados (12 milhas quadradas).

Entre 2011 e 2015, no entanto, as manchas aumentaram repentinamente de tamanho, cobrindo mais de 200 quilômetros quadrados do oceano em seu pico (77 milhas quadradas). Em 2019, no entanto, as manchas encolheram novamente, embora nunca tenham ficado tão pequenas quanto antes.

As descobertas sugerem que um ciclo de 10 anos pode estar em jogo. Mas um ciclo do que exatamente?

“Gostaria de poder dizer por que vimos esse pico de atividade, mas ainda não chegamos lá”, disse. diz O oceanógrafo da USF, Chuanmin Hu.

“Vemos algumas relações interessantes entre as condições ambientais, como o pH, a salinidade da água e o comportamento dos ventos e das correntes, mas ainda não podemos dizer quais processos mecânicos, biológicos ou químicos exatos foram responsáveis ​​por esse pico. em atividade”.

Mais experimentos de campo diretos são necessários, e não apenas nas Bahamas. A comparação de eventos de badejo em outras regiões pode ajudar os cientistas a descobrir quais características eles compartilham.

Pesquisadores da USF testaram seu modelo em eventos de badejo no Grandes Lagos com sucesso preliminar, mas agora precisam fazer backup desses padrões no solo, ou melhor, na água.

alguns estudospor exemplo, mostraram que os eventos de badejo ocorrem mais em locais com sedimentos lamacentos.

Além disso, pode ser que algumas condições oceânicas favoreçam a suspensão de sedimentos e carbonato de cálcio na coluna d’água. Como mencionado anteriormente, dados recentes de satélite sugerem que manchas brancas nas Bahamas são mais comuns na primavera e no inverno, e é quando as correntes da Flórida que correm de norte a sul mudam.

Sem mais evidências, todas essas teorias permanecerão apenas isso.

O estudo foi publicado em Sensoriamento remoto do ambiente.





Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here