23.2 C
Lisboa
Quinta-feira, Julho 7, 2022

Por que as crianças têm medo de pedir ajuda

Must read



Os adultos muitas vezes têm vergonha de pedir ajuda. É um ato que pode fazer as pessoas se sentirem vulneráveis. No momento em que você pede direções, afinal, você revela que pode estar perdido. Procurar a ajuda de alguém pode fazer você se sentir como se estivesse transmitindo sua incompetência.

Novas pesquisas sugerem que crianças pequenas não procuram ajuda na escola, mesmo quando precisam, pelo mesmo motivo. Até há relativamente pouco tempo, os psicólogos supunham que as crianças não começavam a se importar com sua reputação e as percepções dos colegas até os nove anos de idade. Mas uma onda de descobertas nos últimos anos foi contra essa suposição. Esta pesquisa revelou que as crianças tão jovem quanto cinco anos se preocupam profundamente com a forma como os outros pensam sobre eles. Na verdade, as crianças às vezes chegam ao ponto de trapacear em jogos simples para parecer inteligente.

Nossa pesquisa sugere que, já aos sete anos, as crianças começam a se conectar pedindo ajuda para parecer incompetentes na frente dos outros. Sua preocupação com a reputação pode ter consequências significativas, principalmente quando se trata de educação. Em algum momento, todas as crianças lutam na sala de aula. Se eles têm medo de pedir ajuda porque seus colegas estão assistindo, o aprendizado será prejudicado. Com esse conhecimento, professores e cuidadores devem avaliar suas práticas e considerar como podem tornar as crianças mais confortáveis ​​para buscar ajuda.

Para saber mais sobre como as crianças pensam sobre reputação, aplicamos uma técnica clássica da psicologia do desenvolvimento. O raciocínio das crianças sobre o mundo ao seu redor pode ser bastante sofisticado, mas elas nem sempre conseguem explicar o que está acontecendo em suas mentes. Então, criamos histórias simples e, em seguida, fizemos perguntas às crianças sobre esses cenários para permitir que as crianças mostrassem seu pensamento.

Em vários estudos, pedimos a 576 crianças, de quatro a nove anos, para prever o comportamento de duas crianças em uma história. Um dos personagens queria genuinamente ser inteligente, e o outro apenas queria parecer inteligente para os outros. Em um estudo, dissemos às crianças que ambas se saíram mal em um teste. Em seguida, perguntamos qual desses personagens seria mais propenso a levantar a mão na frente de sua classe para pedir ajuda ao professor.

As crianças de quatro anos tinham a mesma probabilidade de escolher qualquer uma das duas crianças como aquela que procuraria ajuda. Mas aos sete ou oito anos, as crianças achavam que a criança que queria parecer inteligente teria menos probabilidade de pedir ajuda. E as expectativas das crianças eram realmente de natureza “reputacional” – elas estavam pensando especificamente em como os personagens agiriam na frente dos colegas.Eles ainda conseguiam conceber situações em que a criança que queria parecer inteligente procuraria ajuda: quando a assistência podia ser pedida em particular (em um computador em vez de pessoalmente), as crianças achavam que ambos os personagens tinham a mesma probabilidade de pedir.

Também perguntamos às crianças sobre outros cenários. Descobrimos que eles reconhecem vários outros comportamentos que podem fazer uma criança parecer menos inteligente na frente de outras crianças, como admitir o fracasso ou minimizar modestamente os sucessos. As crianças estão, portanto, bem cientes de várias maneiras pelas quais as ações de uma pessoa podem fazê-las parecer menos astutas aos olhos dos outros.

Dadas nossas descobertas, parece bem possível que, quando as próprias crianças estão lutando, elas também podem evitar procurar ajuda se estiverem preocupadas com a reputação. Nesse caso, essa relutância em procurar ajuda quando outras pessoas estão presentes pode impedir seriamente o progresso acadêmico. Para melhorar em qualquer domínio, é preciso trabalhar duro, assumir tarefas desafiadoras (mesmo que essas tarefas possam levar a dificuldades ou fracassos) e fazer perguntas. Todos esses esforços podem ser difíceis quando alguém está preocupado com sua aparência para os outros.

Como podemos ajudar as crianças a superar essas barreiras? Nosso primeiro instinto pode ser motivar a busca de ajuda, enfatizando seus benefícios educacionais. Mas esses esforços podem não ajudar as crianças cuja principal preocupação é que elas possam parecer incompetentes. Pesquisas sugerem que podemos subestimar quão desconfortável outros sentem quando pedem ajuda.

Em vez disso, as barreiras de reputação provavelmente exigem soluções baseadas em reputação. Primeiro, os adultos devem diminuir os riscos sociais de procurar ajuda. Por exemplo, os professores podem dar às crianças mais oportunidades de procurar assistência em particular, colocando-se à disposição dos alunos para conversas individuais enquanto os colegas lidam com o trabalho em grupo. Os professores devem associar esse esforço a etapas que ajudem os alunos a perceber que fazer perguntas na frente dos outros é um comportamento normal e positivo. Por exemplo, os instrutores podem criar atividades em que cada aluno se torne um “especialista” em um tópico diferente e, em seguida, as crianças devem pedir ajuda umas às outras para dominar todo o material. Se buscar ajuda é entendido como uma atividade comum em sala de aula, as crianças podem ser menos propensas a pensar nisso como um indicativo de sua habilidade.

Buscar ajuda pode até ser enquadrado como socialmente desejável. Os pais puderam apontar como a pergunta de uma criança deu início a uma conversa valiosa em que toda a família pôde conversar e aprender em conjunto. Afinal, pedir ajuda muitas vezes beneficia não apenas o solicitante de ajuda, mas também outras pessoas que estão ouvindo e que têm dúvidas ou dificuldades semelhantes. Além disso, os adultos podem elogiar as crianças por buscarem assistência. Essa resposta sinaliza que eles valorizam a vontade de pedir ajuda e não apenas o sucesso sem esforço.

No futuro, psicólogos e pesquisadores educacionais devem avaliar essas recomendações e desenvolver novas estratégias que levem as crianças a superar seus medos sobre as percepções dos colegas. Há uma coisa que eles, assim como cuidadores e professores, precisam ter em mente: as crianças pensam em suas reputações e tentam gerenciá-las, mais do que podemos supor.

Você é um cientista especializado em neurociência, ciência cognitiva ou psicologia? E você leu um artigo recente revisado por pares sobre o qual gostaria de escrever para a Mind Matters? Por favor, envie sugestões para Americano científicode A editora da Mind Matters Daisy Yuhas em pitchmindmatters@gmail.com.



Fonte original deste artigo

- Advertisement -spot_img

More articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -spot_img

Latest article