Por que rimos? Novo estudo sugere que pode ser uma estratégia de sobrevivência: ScienceAlert

0
77


Uma mulher em trabalho de parto está passando por um momento terrível e de repente grita: “Não deveria! Não poderia! Não poderia! Não! Não posso!”

“Não se preocupe”, diz o médico. “São apenas contrações.”

Até agora, vários teorias procuraram explicar o que torna algo engraçado o suficiente para nos fazer rir. Entre eles estão a transgressão (algo proibido), a punção de um sentimento de arrogância ou superioridade (zombaria) e a incongruência – a presença de dois significados incompatíveis na mesma situação.

Decidi revisar toda a literatura disponível sobre riso e humor publicada em inglês nos últimos 10 anos para descobrir se outras conclusões poderiam ser tiradas.

Depois de examinar mais de 100 papéis, meu estudar produziu uma nova explicação possível: o riso é uma ferramenta que a natureza pode ter nos fornecido para nos ajudar a sobreviver.

Analisei artigos de pesquisa sobre teorias do humor que forneceram informações significativas sobre três áreas: as características físicas do riso, os centros cerebrais relacionados à produção do riso e os benefícios do riso para a saúde.

Isso totalizou mais de 150 artigos que forneceram evidências de características importantes das condições que fazem os humanos rirem.

Ao organizar todas as teorias em áreas específicas, consegui condensar o processo do riso em três etapas principais: perplexidade, resolução e um potencial sinal de tudo claro, como explicarei.

Isso levanta a possibilidade de que o riso pode ter sido preservado por seleção natural ao longo dos últimos milênios para ajudar os humanos a sobreviver. Também poderia explicar por que somos atraídos por pessoas que nos fazem rir.

A evolução do riso

A teoria da incongruência é boa para explicar o riso motivado pelo humor, mas não é suficiente.

Nesse caso, rir não é uma sensação generalizada de que as coisas estão fora de sintonia ou incompatíveis. Trata-se de nos encontrarmos em uma situação específica que subverte nossas expectativas de normalidade.

Por exemplo, se virmos um tigre passeando por uma rua da cidade, pode parecer incongruente, mas não é cômico – pelo contrário, seria aterrorizante. Mas se o tigre rolar como uma bola, então se torna cômico.

https://www.youtube.com/watch?v=HDiRRfKKQ08 frameborder=”0″ allow=”acelerômetro; Reprodução automática; gravação na área de transferência; mídia criptografada; giroscópio; picture-in-picture” tela inteira>

O anti-herói animado Homer Simpson nos faz rir quando cai do telhado de sua casa e quica como uma bola, ou quando tenta ‘estrangular’ seu filho Bart, com os olhos arregalados e a língua batendo como se ele fosse feito de borracha.

Esses são exemplos da experiência humana mudando para uma versão exagerada do mundo em desenho animado, onde qualquer coisa – especialmente o ridículo – pode acontecer.

Mas para ser engraçado, o evento também deve ser percebido como inofensivo. Nós rimos porque reconhecemos que o tigre ou Homero nunca machucam efetivamente os outros, nem se machucam, porque essencialmente seus mundos não são reais.

Assim, podemos reduzir o riso a um processo de três etapas. Primeiro, precisa de uma situação que pareça estranha e induza uma sensação de incongruência (perplexidade ou pânico).

Em segundo lugar, a preocupação ou estresse provocado pela situação incongruente deve ser trabalhado e superado (resolução). Terceiro, a liberação real do riso atua como uma sirene para alertar os espectadores (alívio) de que eles estão seguros.

O riso pode muito bem ser um sinal que as pessoas usam há milênios para mostrar aos outros que um lutar ou fugir resposta não é necessária e que o ameaça percebida passou.

É por isso que rir é muitas vezes contagioso: nos une, nos torna mais sociáveis, sinaliza o fim do medo ou da preocupação. O riso é afirmação da vida.

https://www.youtube.com/watch?v=6n9ESFJTnHs frameborder=”0″ allow=”acelerômetro; Reprodução automática; gravação na área de transferência; mídia criptografada; giroscópio; picture-in-picture” tela inteira>

Podemos traduzir isso diretamente para o filme de 1936 Tempos modernosonde o personagem cômico vagabundo de Charlie Chaplin conserta obsessivamente parafusos em uma fábrica como um robô em vez de um homem.

Faz-nos rir porque inconscientemente queremos mostrar aos outros que o espetáculo perturbador de um homem reduzido a um robô é uma ficção. Ele é um ser humano, não uma máquina. Não há motivo para alarme.

Como o humor pode ser eficaz

Da mesma forma, a piada no início deste artigo começa com uma cena da vida normal, depois se transforma em algo um pouco estranho e desconcertante (a mulher se comportando de forma incongruente), mas que acabamos percebendo não é sério e na verdade muito cômico (o duplo sentido da resposta do médico induz ao alívio), provocando risos.

Como mostrei em um estudo prévio sobre o comportamento humano de chorar, o riso tem uma forte importância para a fisiologia do nosso corpo.

Como chorar – e mastigar, respirar ou andar – o riso é um comportamento rítmico que é um mecanismo de liberação para o corpo.

Os centros cerebrais que regulam o riso são aqueles que controlam emoções, medos e ansiedade. A liberação do riso quebra o estresse ou a tensão de uma situação e inunda o corpo com alívio.

O humor é frequentemente usado em um ambiente hospitalar para ajudar os pacientes em sua cura, como estudos de terapia do palhaço tem mostrado.

O humor também pode melhorar a pressão arterial e as defesas imunológicase ajuda superar a ansiedade e a depressão.

Pesquisar examinado em minha revisão também mostrou que o humor é importante no ensino e é usado para enfatizar conceitos e pensamentos.

O humor relacionado ao material do curso mantém a atenção e produz um ambiente de aprendizado mais relaxado e produtivo. Em um ambiente de ensino, o humor também reduz a ansiedade, aumenta a participação e aumenta a motivação.

Amor e riso

A revisão desses dados sobre o riso também permite uma hipótese sobre por que as pessoas se apaixonam por alguém porque “me fazem rir”. Não é apenas uma questão de ser engraçado. Pode ser algo mais complexo.

Se o riso de outra pessoa provoca o nosso, então essa pessoa está sinalizando que podemos relaxar, estamos seguros – e isso cria confiança.

Se nosso riso é desencadeado por suas piadas, tem o efeito de nos fazer superar os medos causados ​​por uma situação estranha ou desconhecida. E se a capacidade de alguém ser engraçado nos inspira a superar nossos medos, somos mais atraídos por eles. Isso poderia explicar por que adoramos aqueles que nos fazem rir.

Na contemporaneidade, é claro, não pensamos duas vezes antes de rir. Nós apenas aproveitamos como uma experiência edificante e pela sensação de bem-estar que ela traz.

Do ponto de vista evolutivo, esse comportamento muito humano talvez tenha cumprido uma função importante em termos de consciência do perigo e autopreservação.

Mesmo agora, se nos deparamos com o perigo, depois muitas vezes reagimos com risos devido a uma sensação de puro alívio.A conversa

Carlos Valério BellieniProfessor de Pediatria, Universidade de Siena.

Este artigo é republicado de A conversa sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.



Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here