Terapia genética para hemofilia de US$ 3,5 milhões é o medicamento mais caro do mundo

0
19



Em 22 de novembro, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou a primeira terapia genética para o distúrbio genético da coagulação do sangue hemofilia B – um tratamento único que custa US$ 3,5 milhões.

O Hemgenix – desenvolvido pela empresa farmacêutica CSL Behring, com sede em King of Prussia, Pensilvânia – usa um vírus modificado para entregar um gene às células do fígado do receptor. O gene codifica uma proteína envolvida na coagulação do sangue chamada fator IX, que as pessoas com a doença não conseguem produzir.

Dados de ensaios clínicos sugerem que a dose única de Hemgenix fornecerá às pessoas com hemofilia moderada a grave proteção adequada contra sangramento descontrolado por oito anos e potencialmente por mais tempo.

Mas o alto preço do tratamento o torna o medicamento mais caro do mundo. E embora pareça ser eficaz, as terapias de substituição de genes para a forma mais comum de hemofilia permanecem indefinidas.

Economia significativa

A CSL Behring diz que o custo é justificado. Em comunicado, a empresa disse que, mesmo a um custo de US$ 3,5 milhões, o Hemgenix poderia economizar de US$ 5 milhões a US$ 5,8 milhões para o sistema de saúde dos EUA por pessoa tratada, devido à sua eficácia comprovada em diminuir ou eliminar a necessidade de injeções regulares de fator IX. As pessoas com hemofilia B (que respondem por 15% dos casos de hemofilia) recebem atualmente o fator IX uma ou duas vezes por semana. A proteína é necessária para formar coágulos sanguíneos, mas as pessoas com a doença não possuem o gene necessário para produzi-la em quantidades suficientes. Se a condição não for tratada, as pessoas apresentam sangramento descontrolado que pode ser fatal.

“Viver com hemofilia tem tudo a ver com o local de nascimento”, diz Glenn Pierce, vice-presidente da Federação Mundial de Hemofilia em Montreal, Canadá. “Nos EUA, o tratamento de um adulto com hemofilia B custa em média US$ 700.000 a US$ 800.000 por ano. O alto preço do Hemgenix se pagará em um tempo relativamente curto, e supondo que dure.”

Mas os cientistas temem que o preço não seja acessível em países de baixa e média renda, onde vive a maioria das pessoas com hemofilia e onde os suprimentos de tratamentos e fator IX são frequentemente insuficientes. “À medida que surgem novas tecnologias, como a terapia genética, aqueles que mais se beneficiariam podem pagar menos. Não podemos deixar a maior parte do mundo para trás”, diz Pierce. A CSL Behring se recusou a comentar sobre o preço do medicamento além de sua declaração pública.

Resultados promissores

O último ensaio clínico do Hemgenix, que incluiu 54 pessoas com hemofilia B, relatou uma redução de 54% no número de episódios hemorrágicos por ano, e 94% dos participantes descontinuaram qualquer terapia profilática dentro de dois anos após receberem a dose única. “Os pacientes começam a produzir fator IX muito rapidamente… em sete a oito meses após a dose única, para quase todos os pacientes, o nível de fator IX se estabilizou”, diz Andrew Nash, diretor científico da CSL Behring.

Mesmo a resposta mais baixa no ensaio clínico, um aumento de 10% nos níveis do fator IX, é suficiente para prevenir o sangramento espontâneo, dizem os pesquisadores. Mas os pacientes podem precisar de tratamentos profiláticos complementares após lesões ou se forem submetidos a uma cirurgia de grande porte e seus níveis de fator IX forem inferiores a 50%.

“Se você estiver na faixa de 10 a 40%, ainda poderá ter problemas com traumas graves ou cirurgias. Mas você pode esquecer a hemofilia”, diz Edward Tuddenham, hematologista consultor da University College London e parte do grupo de pesquisa que projetou o vetor viral que a CSL Behring licenciou.

Tuddenham e seus colegas mostraram em um estudo de acompanhamento de oito anos de um ensaio clínico de uma droga semelhante para a hemofilia B que há boas razões para considerar as terapias genéticas um tratamento estável e durável.

“A aprovação do Hemgenix é um marco importante no caminho para a cura, e parece provável que alguns receptores realmente sejam curados por muitos anos”, diz Pierce.

problemas de imunidade

A aprovação do FDA destaca as dificuldades na busca pelo desenvolvimento de terapias genéticas para a hemofilia em geral. Apenas 15% das pessoas com hemofilia têm hemofilia B. A maioria tem hemofilia A — um distúrbio genético causado pela deficiência de uma proteína diferente da coagulação do sangue chamada fator VIII, que é codificada por um gene diferente.

Encontrar uma terapia genética eficaz para a hemofilia A provou ser um desafio, porque é necessário um aumento maior na produção do fator VIII para obter um bom efeito terapêutico, e alguns participantes de ensaios clínicos mostraram fortes respostas imunes ao vetor viral usado para entregar o gene.

“Na hemofilia A, há um claro desvanecimento com o tempo e [the gene expression] pode durar apenas oito anos”, diz Michael Makris, que estuda hemostasia e trombose na Universidade de Sheffield, no Reino Unido. “Depois de fazer terapia genética viral adeno-associada, você produz anticorpos para o vetor AAV, então não pode tê-lo novamente.”

Em 24 de agosto, a Agência Europeia de Medicamentos aprovou uma terapia genética para hemofilia A pela BioMarin Pharmaceutical, com sede em San Rafael, Califórnia. Depois de rejeitar seu primeiro pedido, o FDA agora está considerando o reapresentação da BioMarin.

“A terapia genética, embora empolgante e promissora, não deve ser considerada levianamente”, diz Leonard Valentino, um ex-hematologista que é diretor-executivo da Fundação Nacional de Hemofilia dos EUA na cidade de Nova York. “É uma decisão potencialmente transformadora e, com qualquer decisão que altere a vida, pode haver efeitos positivos e negativos”.

Este artigo é reproduzido com permissão e foi publicado pela primeira vez em 6 de dezembro de 2022.



Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here