19.7 C
Lisboa
Segunda-feira, Julho 4, 2022

Um detalhe chave em sua retina pode indicar quão saudável é seu cérebro

Must read


Alzheimer é uma doença cerebral insidiosa marcada por um declínio mental lento que pode se desenvolver despercebido por décadas antes que os sintomas surjam, mas sinais ocultos da doença podem existir muito mais cedo.

Novas pesquisas sugerem que o afinamento da retina de uma pessoa – o tecido sensível à luz que reveste a parte de trás do olho – na meia-idade está ligado ao desempenho cognitivo no início e na vida adulta.

Embora muito mais pesquisas sejam necessárias, a equipe por trás deste novo estudo diz que as descobertas podem um dia abrir caminho para um simples teste de visão que pode ajudar a prever o risco de uma pessoa para doenças como a doença de Alzheimer, a forma mais comum de demência.

“Dado que não conseguimos tratar a doença de Alzheimer avançada e que a prevalência global da doença está aumentando, ser capaz de identificar pessoas no estágio pré-clínico, quando ainda podemos ter a chance de intervir, é muito importante”. diz pesquisador de saúde Ashleigh Barrett-Young da Universidade de Otago, Nova Zelândia.

As pessoas com Alzheimer geralmente vivem com deficiências visuais que podem contribuir para confusão mental, desorientação e retraimento social – todos os sintomas que, juntamente com a perda de memória, atrapalham a vida diária de milhões de pessoas que vivem com a doença em todo o mundo.

Isto é não é a primeira vez, no entanto, que os cientistas sugeriram que os olhos podem ser uma janela para o cérebro. Há mais de uma década, pesquisadores encontraram proteínas beta-amilóide, a marca registrada da doença de Alzheimer, nas retinas de pessoas com a doença, e estudos subsequentes de imagens oculares revelaram que os pacientes de Alzheimer também tinham retinas mais finas.

Um estudo de 2018 também encontrou fortes ligações entre a doença de Alzheimer e três condições oculares comunsincluindo glaucoma e degeneração macular.

Embora tais associações observadas sejam intrigantes, os fatores de risco para a doença de Alzheimer são muitos e variadoentão, por enquanto, quaisquer ligações entre a doença de Alzheimer e a saúde ocular ainda são sob intensa investigação.

No novo estudo, os pesquisadores analisaram dados do Dunedin Study, de longa duração, que acompanhou a vida de mais de 1.000 bebês nascidos no início dos anos 1970 em um hospital na Nova Zelândia desde o nascimento.

Cinco décadas depois, Barrett-Young e colegas selecionaram para sua análise um subgrupo de 865 adultos que fizeram exames oculares aos 45 anos, juntamente com uma bateria de testes de neuropsicologia na idade adulta e na primeira infância, como parte do experimento Dunedin.

A espessura de duas partes diferentes da retina (camadas de fibras nervosas da retina e camadas de células ganglionares), foram medidas nas varreduras.

A análise mostrou que os participantes do estudo com camadas retinianas mais finas pontuaram mais baixo nos testes de desempenho cognitivo, tanto como adultos quanto quando eram crianças.

No entanto, não foram encontradas associações entre afinamento da retina e um declínio geral no desempenho cognitivo (entre a infância e a meia-idade) que possa indicar que algo está acontecendo no cérebro.

Embora as camadas mais finas de fibras nervosas da retina aos 45 anos estejam ligadas a um declínio nas velocidades de processamento cerebral desde a infância, isso pode ser apenas um sinal de envelhecimento geral, e não necessariamente ligado à doença de Alzheimer.

“As descobertas sugerem que [retinal thickness] pode ser um indicador da saúde geral do cérebro”, diz Barrett-Young, que liderou o estudo.

Se um teste oftalmológico para prever uma doença tão complexa e insidiosa como a doença de Alzheimer será possível, permanece desconhecido. No entanto, uma série de Estudos anteriores incluindo pessoas com demência, não apenas adultos saudáveis, sugeriram que o afinamento da retina pode preceder o declínio cognitivo e o diagnóstico de demência.

Mas este é um campo relativamente novo e os resultados têm sido mistos. Mais pesquisas são necessárias para separar a ordem dos eventos, para ver se o afinamento da retina realmente precede o início do Alzheimer, se as alterações são sintomas secundários da doença, ou simplesmente refletem o envelhecimento ou outros fatores do estilo de vida. Todas são possibilidades.

Apesar das probabilidades, os pesquisadores acham claramente que vale a pena investigar o afinamento da retina como um biomarcador de mudança cognitiva, dado o que foi encontrado até agora e a crescente carga da doença de Alzheimer.

Considerando que os exames oftalmológicos de rotina são mais baratos do que os exames de imagem do cérebro que são comumente usados ​​para investigar a saúde do cérebro, eles seriam uma alternativa econômica para monitorar as mudanças na saúde do cérebro ao longo do tempo – se estudos futuros se acumularem.

“No futuro,” diz Barrett-Young, “essas descobertas podem resultar em [artificial intelligence] sendo usado para tomar um típico tomografia de coerência ópticafeito em um optometrista e combiná-lo com outros dados de saúde para determinar seu provável risco de desenvolver a doença de Alzheimer.”

O estudo foi publicado em JAMA Oftalmologia.



Fonte original deste artigo

- Advertisement -spot_img

More articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -spot_img

Latest article