Um novo satélite da NASA mapeará os mares ascendentes da Terra

0
9


O SWOT pode se tornar uma grande melhoria em relação às medições dos satélites anteriores. “Em vez de um ‘feixe de lápis’ movendo-se ao longo da superfície da Terra a partir de um satélite, é uma faixa larga. Ele fornecerá muito mais informações, muito mais resolução espacial e, com sorte, melhor cobertura perto da costa”, diz Steve Nerem, cientista da Universidade do Colorado que usa dados de satélite para estudar o aumento do nível do mar e não está envolvido com SWOT. E a tecnologia de mapeamento de faixas de KaRIn é uma técnica totalmente nova, diz ele. “Nunca foi testado em órbita antes, então é uma espécie de experimento. Estamos ansiosos pelos dados.”

O SWOT também possui outros instrumentos em seu kit de ferramentas, incluindo um altímetro de radar para preencher as lacunas entre as faixas de dados que o KaRIn coleta, um radiômetro de micro-ondas para medir a quantidade de vapor de água entre o SWOT e a superfície da Terra e uma série de espelhos para laser -acompanhamento de medições a partir do solo.

Novos dados de satélite são importantes porque o futuro do aumento do nível do mar, inundações e secas pode ser pior do que alguns especialistas previram anteriormente. “Em nosso registro de satélite, vimos o aumento do nível do mar ao longo das costas dos EUA subindo rapidamente nas últimas três décadas”, diz Ben Hamlington, um cientista do aumento do nível do mar no JPL na equipe científica SWOT. A taxa de aumento do nível do mar está de fato acelerando, especialmente na costa do Golfo e na costa leste dos Estados Unidos. “A trajetória em que estamos nos aponta para o limite superior das projeções do modelo”, diz ele, um ponto que destacou em um estudo no mês passado na revista Comunicações Terra e Meio Ambiente.

Hamlington vê o SWOT como uma benção para mapear o aumento das águas do mar e para os pesquisadores que estudam as correntes e redemoinhos oceânicos, que afetam o quanto calor atmosférico e carbono oceanos absorvem. O satélite também ajudará os cientistas que modelam tempestade surtos– isto é, quando a água do oceano flui para a terra.

Os dados da nova espaçonave terão alguma sinergia com muitos outros satélites de observação da Terra já em órbita. Esses incluem Grace-FO da NASAque sonda a água subterrânea por meio de flutuações de gravidade, IceSat-2 da NASAque examina mantos de gelo, geleiras e gelo marinho, e satélites comerciais de mapeamento de inundações que usam radar de abertura sintética para ver através das nuvens. Ele também segue outros satélites equipados com altímetro, como o americano-europeu Jason-3, o satélite Sentinel-6 Michael Freilich da Agência Espacial Européia, os satélites Haiyang da China e a espaçonave indiana-francesa Saral.

Os dados desses satélites já mostraram que algum grau de aumento do nível do mar, inundações extremas, tempestades e secas já estão presentes em nosso futuro. Mas não estamos condenados a catástrofes climáticas, argumenta Hamlington, porque podemos usar esses dados para evitar os resultados projetados mais extremos, como aqueles que causam rápidas geleira ou folha de gêlo fundição. “Reduzir as emissões tira algumas das projeções mais altas de aumento do nível do mar da mesa”, diz ele. “Como a perda catastrófica do manto de gelo só ocorrerá em futuros muito quentes, se pudermos limitar o aquecimento daqui para frente, podemos evitar os piores cenários”.



Fonte original deste artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here