“A Sony vai comprar a Ubisoft?” e outras perguntas após a aquisição chocante da Activision Blizzard pelo Xbox

0
247


Em 18 de janeiro de 2022, Microsoft anunciou planos para adquirir a Activision Blizzard. Este é um detentor de plataforma que compra uma das maiores editoras de jogos e um dos maiores jogos do mundo. Call of Duty, o principal produto da Activision, sofreu alguns declínios nos últimos anos, mas continua sendo uma série enorme. E mais significativamente, é um dos jogos mais populares no PlayStation.

A Activision Blizzard também é uma empresa envolvido em ações judiciais e conflito contínuo com seus funcionários, e tem teve sua reputação seriamente prejudicada devido a um escândalo de má conduta sexual.

Sou jornalista de negócios e há muito o que discutir aqui em termos de consolidação do setor, práticas no local de trabalho e modelos de negócios. Mas se o meu feed do Twitter serve de referência, também há muitas perguntas importantes dos jogadores – particularmente sobre o que isso significa para o futuro de Call of Duty e como o PlayStation pode reagir a esse anúncio de mudança da indústria.

É um pouco cedo para saber as respostas para isso. Mas podemos fazer algumas suposições baseadas no que cada empresa está dizendo. Então vamos fazer isso.

Por que a Microsoft está fazendo isso?

Sempre que você falar com a Microsoft, você ouvirá executivos e profissionais de marketing falando sobre os ‘bilhões’ de jogadores que ela deseja alcançar. Considerando que seus consoles nunca atingiram 100 milhões de vendas – e, de fato, apenas alguns consoles atingiram esse nível – a empresa precisa pensar além do console para fazer isso.

Isso envolve ser grande em PC, grande em dispositivos móveis e grande em países fora dos EUA e da Europa Ocidental. Envolve tornar os jogos de console mais acessíveis e mais acessíveis.

É por isso que está construindo o Game Pass, e é por isso que está tentando fazer o streaming de jogos funcionar, e é por isso que está comprando todos esses jogos e estúdios e investindo pesadamente em tecnologia e jogos na nuvem.

Muitas pessoas se concentrarão em Call of Duty, por razões óbvias. É uma das maiores marcas de jogos do mundo. Mas na Blizzard, a Microsoft tem um grande estúdio de jogos para PC e, na King, possui um dos desenvolvedores de jogos móveis mais bem-sucedidos do mercado. Activision – ainda mais que Bethesda – dá à Microsoft o talento criativo e o conteúdo de que ela precisa para fazer com que o que está fazendo com assinaturas, streaming e tecnologia alcance esses ‘bilhões’ de jogadores.

Esse é o seu objetivo.

isso é uma coisa boa?

A grande consolidação de empresas de jogos pode levar a preocupações com criatividade e oportunidades. Mas também há potenciais positivos. A Activision Blizzard provavelmente terá um pouco mais de liberdade para gastar mais tempo em seus jogos e não sentirá mais a pressão de lançar grandes sequências para suas franquias regularmente. Para os jogadores preocupados com a produção recente da Blizzard, fazer parte da família Microsoft pode dar a eles o espaço de que precisam para voltar ao seu melhor.

Isso é um monopólio?

Haverá inevitavelmente algumas perguntas que a Microsoft precisará enfrentar em torno deste acordo. As leis antitruste e de monopólio são projetadas para impedir que uma empresa se torne dominante demais e a coloque em uma situação em que basicamente controle o mercado. O Xbox agora é certamente uma grande potência de jogos a esse respeito, possuindo alguns dos maiores e mais lucrativos títulos em jogos. Ele tem o poder de realmente fazer a transição dos negócios para um futuro baseado em assinatura.

No entanto, a indústria de jogos é enorme e há muitos grandes jogadores por aí. O Xbox pode ter vários grandes IPs e desenvolvedores e opera na maioria das principais plataformas. Mas não é a maior empresa de jogos de console por aí – é a Nintendo e a Sony. No PC, está longe de desafiar a Valve. E no celular, King pode ser um jogador importante, mas existem outros nomes significativos por aí, como Zynga.

Mas essas são apenas as empresas de jogos tradicionais. Investimento do Facebook no Metaverso, Epic Games tem Fortnite, tem Roblox, Google com Stadia, Apple no celular, e até Netflix e sua expansão de jogos. Há muita competição de jogos lá fora agora. Nunca é tão simples assim, mas há muitas razões para sugerir que o Xbox não é um monopólio nos jogos. Ainda não, de qualquer maneira.


Call of Duty será exclusivo do Xbox?

Não. Call of Duty definitivamente permanecerá no Xbox, PC e smartphones. A verdadeira questão é: a Microsoft impedirá que Call of Duty seja lançado no PS5?

Possivelmente, mas não definitivamente. Call of Duty é uma marca global de jogos de mercado de massa que se estende muito além de uma plataforma. De muitas maneiras, não é muito diferente do Minecraft, que é um verdadeiro videogame multiformato que a Microsoft também opera. Tirar o Call of Duty do PlayStation aumentará as vendas do console Xbox, mas provavelmente prejudicará o Call of Duty no processo – essa série tem muitos fãs no console da Sony. O Xbox pode muito bem decidir que há muito valor em ter um jogo importante no console de um concorrente.

No entanto, você pode argumentar que a mesma coisa é verdade com Elder Scrolls, e A Microsoft deixou claro que o próximo jogo da série será um exclusivo do Xbox.

E quanto ao Call of Duty: Warzone?

Isso já tem um público ativo e engajado no PlayStation, e como um título gratuito, o objetivo é torná-lo o mais acessível possível. Portanto, neste caso, ficaria muito surpreso se o Warzone desaparecesse do PS5. Assim como eu ficaria surpreso se Elder Scrolls Online de repente se tornasse exclusivo do Xbox.


World of Warcraft chegará ao Xbox?

É possível, mas sempre foi. As aquisições da Microsoft não são puramente sobre consoles Xbox. Na verdade, eles tratam principalmente de dirigir o serviço de assinatura do Game Pass, que está no PC. A Microsoft tem alguns títulos populares para PC, como Age of Empires e Flight Simulator, mas a Blizzard leva isso a outro nível.

A coisa real para a Microsoft aqui seria incorporar um IP como Warcraft em seu serviço de assinatura PC Game Pass existente.

O Xbox pode corrigir os problemas no local de trabalho da Activision Blizzard?

Você tem que esperar que sim. A Microsoft não é perfeita, mas tem se esforçado para ser um negócio mais inclusivo, acolhedor e diversificado. Não está dizendo muito, mas a equipe de gerenciamento do Xbox é uma das mais diversificadas da indústria de jogos, e está orgulhosa disso.

Vale a pena notar, no entanto, que a Microsoft tem uma ‘estratégia de integração limitada’, o que basicamente significa que ela compra empresas, oferece ajuda, mas, em última análise, deixa-as operar como quiserem. O pensamento é que, se eles entrarem e se intrometerem demais, correm o risco de danificar o que o tornou bem-sucedido em primeiro lugar (e o Xbox certamente cometeu esses erros antes). Essa estratégia começou com a aquisição da Mojang e tem funcionado muito bem até agora.

Ficará na Activision pedir ajuda da Microsoft. E suspeito que sim.

A cultura do local de trabalho não muda da noite para o dia. Novos processos levam tempo para serem incorporados. Maçãs podres precisam ser movidas e substituídas pelas pessoas certas. A Microsoft certamente poderia ajudar, mas levará tempo.


A PlayStation deve comprar a Take-Two/EA/Ubisoft?

Isso depende do que a PlayStation quer alcançar. A razão pela qual o Xbox precisa desses estúdios e desses jogos não é apenas para vender mais consoles, mas para aumentar sua base de assinantes no Game Pass e alcançar novos mercados.

A Sony já tem uma plataforma de console de sucesso, uma base forte de estúdios que fazem ótimos jogos e atualmente é popular em muito mais mercados do que o Xbox.

Mas está enfrentando concorrência, não apenas dentro dos jogos, mas também fora. E se quiser afastar esses rivais, ou até mesmo competir melhor com novos conceitos como o Game Pass, talvez precise continuar adquirindo.

E a PlayStation vem adquirindo empresas. Essas aquisições podem não estar no mesmo nível da Activision ou Bethesda, mas é da indústria de jogos que estamos falando… quem pode dizer de onde virá o próximo sucesso? Pode ser um grande estúdio como Infinity Ward, ou uma startup totalmente nova. A Sony tem investido muito em novas equipes nos últimos 12 meses. No ano passado, assinou o primeiro jogo da Jogos de desvio (ex-veteranos de Call of Duty), Estúdios Firewalk (ex-pessoas de Destiny) e Estúdios Haven (ex-desenvolvedores de Assassin’s Creed). Talvez o videogame de grande sucesso desta geração venha de um deles, em vez de um jogador estabelecido.

Mas observe este espaço. Estamos em um mundo de rápida consolidação. Talvez na próxima semana saibamos que a Sony está comprando a Ubisoft. Ou o Facebook está comprando a Sony. Ou Netflix. A indústria de jogos está mudando rapidamente.

Quem é o próximo?

Potencialmente qualquer um. Todos podemos ver o quão atraente uma empresa como a Sega pode ser para o Xbox ou a Square Enix para a Sony. Há muitas pessoas querendo comprar, a questão é quem pode querer vender?

Take-Two, Ubisoft e Nintendo afirmaram anteriormente que não estão à venda. Mas as coisas mudam. A Ubisoft está atualmente lutando para manter a equipe após uma série de escândalos no local de trabalho, e seus jogos e práticas de negócios estão sendo criticados. Ele pode ter lutado contra uma aquisição hostil antes, mas pode estar mais aberto a uma aquisição amigável agora?

O que posso dizer é que estamos a menos de três semanas de 2022 e já tivemos duas das maiores aquisições de jogos da história (o outro sendo Take-Two/Zynga). Vai ter mais.





Fonte deste Artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here